Buscar
  • Carol Yu

Você sabe o que fazer em uma situação estressante?

A palavra ou a sensação de estresse nunca esteve tão na moda. Falamos de estresse no trabalho, estresse em casa, estresse nas relações…. hoje em dia até as crianças apresentam sintomas de estresse.



Mas enfim, o que é o estresse?


O estresse pode ser percebido por reações no corpo e por mudanças no comportamento. Em uma situação aguda, ou seja, que causa um nervoso rápido e imediato sentimos a frequência cardíaca aumentar, a respiração ficar ofegante, as mãos ficam suando. Há uma liberação de hormônios que agem em todos os sistemas do corpo. Nesta situação o poder de julgamento fica alterado e geralmente o comportamento fica mais agressivo, perdemos a paciência e gritamos. Muitas vezes, horas depois, nos arrependemos da forma que agimos, mas este comportamento já causou efeitos nas relações com familiares, amigos e no trabalho.


Então é necessário que consigamos controlar nosso comportamento durante uma situação estressante. Não é tão fácil, é preciso muita intenção!!! É preciso colocar nossos sistemas remando para a mesma direção. Do que eu estou falando??? Oras, precisamos fazer nosso corpo trabalhar melhor, para que nossa regulação emocional seja melhor.. Muitos sistemas podem ajudar: sistema respiratório, sistema muscular, sistema digestivo. É algo que todos nós já ouvimos: respirar lentamente, fazer exercícios físicos, comer bem, dormir bem, tudo isto ajuda a controlarmos o estresse.


Mas além disto, podemos agir instantaneamente e potencializar tudo isso agindo no sistema nervoso central, ou seja: no cérebro. Em situações de estresse a área do cérebro que toma conta é o sistema límbico, e nosso comportamento fica mais influenciado pelas emoções. Com isto, a área do pensamento crítico no cérebro é inibida e ficamos literalmente à mercê das emoções. No caso do estresse, estamos sob efeito das emoções “ruins”, pensamentos pessimistas, que alimentam este ciclo.


Diferentes estratégias para quebrar o ciclo

1. Identificar que você está sob o comando das emoções

Nesta situação você NÃO consegue fazer escolhas e julgamentos adequados. Esta inundação de hormônios dura alguns segundos e depois disto você já consegue ativar as áreas mais racionais.


2. O famoso contar até 10 funciona MESMO!

Mas, obviamente depois disto, é necessário um pouco mais de esforço e dedicação. Respire por 2 minutos de forma mais lenta. Se possível se afaste da fonte estressora (colega, filho, marido/esposa).


3. Ative a área mais racional do cérebro que estava inibida

Você precisará produzir pensamentos que quebram este ciclo. A regulação das emoções acontece sempre, e com o tempo, o que você vai fazer é dar mais intenção. Uma das formas é olhar para a situação sob outra perspectiva e fazer um reenquadramento dos fatos. Tentar focar no que mais importa na situação.


Exemplo: final do dia, todos cansados e uma criança vai pegar água e deixa o copo de vidro cair no chão. É possível que pelo cansaço, estresse acumulado do dia haja uma reação excessiva. Isto acontece porque não estamos na melhor das condições para o julgamento. Acontecem gritos ou culpa à criança que foi desatenta, isto acontece por que estamos focando em todo trabalho que dará limpar! Mas podemos focar em fatos mais importantes: que a criança não se machucou, que era só água, que ela não fez de propósito. Desta forma reenquandramos uma situação que causou irritação, para uma oportunidade de ensinar as crianças que acidentes acontecem, o importante é resolver.


Neste exemplo, mudar a forma de ver as coisas e literalmente conduzir os pensamentos para outro foco, nos ajuda a ativar as áreas racionais do cérebro para começar a reaver o controle da situação, ou seja conseguimos começar a controlar as emoções.


Sem dúvida não é algo fácil. Para que fique cada vez menos difícil só temos uma coisa a fazer: praticar. SEMPRE. E olha que todos os dias passamos por situações que exigem muito do nosso emocional, que precisaremos dar este passo para trás e resgatar nosso racional. Pratique hoje, pratique sempre. Eu te garanto que em breve as suas reações a situações estressantes serão mais leves e você não terá que fazer tanto esforço! O bom das habilidades socioemocionais é que podemos pratica-las com todos e a todo momento. A chance de aprender é maior.


Nota psi:

Uma estratégia interessante para aprender a lidar com o estresse é nomear o “tipo” de estresse, ou melhor, o porquê do estresse. No exemplo citado, dependendo da perspectiva e história de vida de cada pessoa, um mesmo fato pode ativar uma angústia ou memória de sofrimento específico - por exemplo, um pai ou mãe que vivenciou reações mais explosivas quando criança pode associar o barulho do vidro quebrado com um ambiente agressivo na qual cresceu e reagir de forma defensiva com raiva ou impaciência; ou pode também ativar memórias de situações em que foi criticado por descuidos e rotulado como descuidado e alguém que não presta atenção. Tudo isso para dizer, que muitas vezes as reações ao estresse dizem muito mais de quem está reagindo e não do “estressor” - e, deve-se tentar fazer uma separação dos momentos, de compreensão da reação do adulto e aprendizado da criança, uma vez que os focos são diferentes. É quase impossível educar a criança, e tornar aquele momento um de aprendizagem, se o foco de energia ainda está na própria reação do adulto.

 

Se você chegou até aqui está procurando saber mais sobre habilidades socioemocionais na prática, convidamos a se envolver e escrever para nós com sugestões de temas e comentários. Esperamos que o blog também possa ser um lugar de troca efetiva e afetiva!







1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo